Faça um seguro e não entre em Cibercondria

Dr. google ou cibercondriaNem todas as pessoas podem beneficiar do acesso a um serviço associado a alguns seguros de saúde, como é a cobertura  Ask Best Doctors, que possibilita a colocação de perguntas online relacionadas com a saúde.

À falta de tais profissionais que trabalhem diretamente para responderem às questões que levantamos, o que nos resta?

Pesquisar na Internet.

No entanto, se à partida tal comportamento – o de pesquisar informação sobre doenças na net – parece extremamente defensável e normal, há quem leve esta ação a extremos, procurando na web tudo o que são informações sobre as mais variadas doenças, estados de saúde e até diagnósticos.

Como tudo “o que é demais é moléstia”, já existe um nome para quem padece dessa “adição” – cibercondria.

O crescimento do hábito de pesquisar doenças e problemas de saúde na internet tem já um forte impacto nos Estados Unidos da América.

Como tal, já foi apelidado de Dr. Google, numa referência ao motor de busca, que lá como cá, as pessoas mais utilizam para pesquisar na web, e também de cibercondria, ou hipocondria na era digital.

Uma doença, um mau hábito, segundo os especialistas, pois pode originar crises de stresse.

Os médicos alertam para o facto de cada vez acontecer com mais frequência, as pessoas irem ao consultório já depois de terem pesquisado os sintomas na Internet.

Realidade que se pode mostrar mais perniciosa que favorável.

Para as pessoas mais ansiosas e que sofrem de hipocondria, o crescente acesso a muita informação online pode trazer mais problemas. A quantidade de textos disponíveis não é sinónimo de qualidade e de boa informação, uma vez que não existem sites de saúde validados em termos técnicos, o que não acontece com as respostas de serviços tais como o Ask Best Doctors, que referimos acima.

Um estudo norte-americano, apontou a necessidade imperativa de saber o que “o destino nos reserva”, como motivação principal que pode levar alguém a desenvolver cibercondria.

Realizado na Universidade de Baylor, o estudo incluiu 500 pessoas com uma média de idades de 30 anos.

A maioria dos utilizadores de internet afirmou ter uma necessidade imperativa de saber o que o destino lhes reservava e passava muito tempo do dia a pensar na própria saúde, quando comparado com aqueles que não usavam a internet para tais fins.

 

Principal dinamizadora da criação da Seguros Mais, detém formação superior em Engenharia que aplica nas áreas da consultoria e formação, não deixando de ser elemento ativo nas publicações e avaliações do site.

Deixe um comentário