Melhorar os sistemas de saúde sob o paradigma da Gestão de Projectos

Março 24, 2008
Comentários desligados

Melhorar os sistemas de saúde sob o paradigma da Gestão de ProjectosOs custos com a saúde têm vindo a aumentar progressivamente ao longo dos últimos 50 anos, atingindo já cerca de 10% a 15% do Produto Interno Bruto nos países desenvolvidos. Começa a ser consensual entre os analistas que esta tendência não pode continuar e que os actuais sistemas de saúde não têm sustentabilidade a médio prazo.

Joaquim Sá Couto é um médico portuense, especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Vascular, que viu publicado em Janeiro último no Journal of Evaluation in Clinical Practice, um artigo que advoga um conceito completamente inovador para a gestão da saúde.

O médico do Porto defende que a produção de serviços de saúde deve enquadrar-se na produção por projectos e não na produção em massa.

Os actuais sistemas de saúde foram pensados numa perspectiva de produção em massa, contrária a um modelo de gestão que se quer mais próximo do doente, com um atendimento de qualidade, em tempo útil e com custos controlados”, explica Joaquim Sá Couto, director-geral da Corrida Consulting (empresa de consultoria estratégica na área da Saúde).

Dando como exemplo o caso dos doentes com varizes, o autor demonstra que o resultado que o doente procura deve ser abordado como um projecto, uma vez que cada caso clínico apresenta problemas únicos que requerem soluções singulares, atempadas e dentro de orçamentos previsíveis.

O autor defese ainda a adopção de técnicas da área de Gestão de Projectos (Project Management), que embora aplicadas em muitas áreas de actividade, ainda não foram abraçadas na actividade médica.

O médico deve ser o responsável pela gestão clínica de cada caso, como project manager, devendo ser avaliado em função da sua eficácia.

Enfim, um contributo para que em Portugal possamos ter um sistema de saúde que invariavelmente não tenha que recorrer aos seguros saúde.

 

Somos um portal/blog de notícias sobre seguros e produtos financeiros em geral, que conta com a colaboração de um pequeno grupo de mediadores de seguros, que por força de se manterem constantemente bem informados sobre a actividade seguradora, partilham essa informação com clientes e leitores.